Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Delegados de SP protestam contra desmonte da segurança feito por Serra

/ On : quinta-feira, outubro 21, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
Os delegados do Estado de São Paulo estão em campanha por melhores condições de trabalho e salário digno e denunciam o desmonte da segurança pública no governo dos tucanos, há 16 anos na administração estadual.
A Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp) organizou uma exposição de fotos itinerante, relembrando o confronto entre policiais civis e militares em 16 de outubro de 2008. A exposição está percorrendo vários pontos da Capital,  durante esta semana.
No dia de ontem (quarta, 20/10), um grupo de aproximadamente 70 delegados se com o delegado-geral da Polícia Civil, Domingos Paulo Neto, para cobrar explicações sobre o fato da cúpula da Polícia Militar ter salários mais altos que a Polícia Civil. A legislação, segundo eles, estabelece que deve haver isonomia entre as forças.
A irregularidade foi constatada em um parecer técnico da Secretaria da Fazenda, que já em 2007
apontava uma diferença de quase R$ 4 milhões por mês na diferença do cálculo. A Adesp entrará com um requerimento de instauração de inquérito civil no Ministério Público para investigar as irregularidades.

Denúncias do desmonte tucano

Os delegados denunciam o sucateamento feito na segurança pública de São Paulo pelos tucanos, que ficou mais evidenciado na gestão do ex-governador José Serra.

O choque de gestão de José Serra, para "cortar custos" com policiais (e gastar mais com propaganda), deixou 31% dos municípios sem um delegado de polícia. Resultado: sem capacidade de investigar e elucidar crimes, as pequenas cidades estão sofrendo com o tráfico de drogas, invasão do crack e com o aumento da criminalidade: assaltos, roubos, estupros, etc.

Nas cidades que têm delegados, eles recebem os piores salários da classe, comparado a outros estados do Brasil, inclusive mais pobres. Isso precariza a profissão, desestimula a carreira e desincentiva a dedicação exclusiva ao cargo. Muitos policiais são obrigados a fazer “bicos” ou terem atividades extras privadas. Nos piores casos, incentiva a corrupção, levando policiais a buscarem complementação de renda através de propinas, caça-níqueis, usar a estrutura policial para funcionar como segurança privada de quem pode pagar.

O ex-governador Serra alega que as estatísticas dizem que o número de homicídios por 100 mil habitantes caiu, mas é um argumento que deixa muito a desejar, pelos motivos:

1) Diminuir só homicídios não resolve. É preciso diminuir latrocínio e outras mortes decorrentes da violência, como a tentativa de homicídio, os ferimentos, o assalto à mão armada, estupros, tráfico, enfim, é preciso diminuir todos os crimes para melhorar a segurança.

2) Se uma cidade de 100 mil habitantes tinha 15 homicídios, e a população dobrou, aumentando para 20 homicídios, por exemplo; pela estatística de Serra, os números melhoraram, porque reduziu para 10 homicídios por 100 mil habitantes, mas para a população da cidade piorou, porque a cidade ficou mais violenta, aumentando de 15 para 20 homicídios.

3) O estatuto do desarmamento, ao retirar armas de circulação, reduziu casos de homicídios. A melhoria nos níveis de  emprego e os programas sociais  ajudam a evitar a criminalidade atacando a raíz social do problema, não sendo mérito da política de segurança pública.

4) As operações da Polícia Federal contra organizações criminosas, atacam o crime no atacado. O governo do Estado poderia ter feito mais, combatendo o crime no varejo, se não tivesse congelado a contratação de policiais, enquanto a população cresceu.

*com informações: APDESP, Rede Brasil Atual e Os amigos do presidente Lula

denúncias

 

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.