Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Governo Lula deverá financiar parte das obras para desafogar as vias de acesso ao Porto de Santos, Polo Industrial de Cubatão e bairros do município

/ On : quarta-feira, junho 02, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
Maria Lúcia Prandi

Tenho afirmado que nunca a Baixada Santista recebeu tantos investimentos federais. E, agora, há um motivo a mais para fazer a afirmação. É que o Governo Lula deverá financiar parte das obras viárias consideradas fundamentais para desafogar as vias de acesso ao Porto de Santos, Polo Industrial de Cubatão e bairros do município.


Finalmente, há possibilidade concreta de eliminar os gargalos rodoviários e estabelecer uma logística que elimine pontos críticos. Estão na lista de obras o trevo das rodovias Cônego Domenico Rangoni (antiga Piaçaguera-Guarujá) e Anchieta, no Viaduto Luiz Camargo da Fonseca e Silva; a duplicação do Viaduto Rubem Paiva (antigo 31 de março), no Jardim Casqueiro; a criação de uma terceira faixa na Piaçaguera, no trecho que vai até a região industrial da de Cubatão; e a ponte ligando a Alemoa à Ilha Barnabé, em Santos.


O secretário Nacional de Transportes, Marcelo Perrupato, realizou visita técnica à região, na última segunda-feira, para conhecer detalhes dos projetos e verificar os pontos mais críticos. A vinda é resultado de um encontro, na semana passada, intermediado pelo senador Aloizio Mercadante (PT), com a participação do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.


As negociações estão andando rápido. A prefeita Márcia Rosa, de Cubatão, apresentou os projetos a Perrupato e, ao constatar in loco os problemas, o secretário nacional não teve mais dúvidas de que os investimentos são inadiáveis.


Perrupato chegou a dizer que, sob a ótica da engenharia de tráfego, alguns pontos do sistema rodoviário regional são de “arrepiar os cabelos”. E foi taxativo: “Não tem o que discutir se essas obras são prioritárias ou não. Elas devem ser feitas”. As ntervenções seriam incluídas no PAC 2, que é a segunda fase de ações do Programa de Aceleração do Crescimento.


O compromisso do Governo Lula com a Baixada Santista demonstra postura oposta à do Governo do Estado. Este tem antigas dívidas com a região, mantendo inúmeros projetos nas gavetas da burocracia. Os tucanos anunciam, prometem e ficam nisso. Apenas para citar um exemplo, lá se vão oito anos da entrega da pista descendente da Rodovia dos Imigrantes. O Estado assumiu para si, e não executou, diversas obras viárias complementares, cuja responsabilidade generosamente subtraiu da iniciativa privada.


Volta e meia uma dessas obras é anunciada, com estardalhaço e espaço na mídia, mas as palavras perdem-se ao sabor dos ventos. Tudo conto de fadas, faz de conta, oportunismo de quem apenas finge interesse pela Baixada Santista.


O governo tucano continua ignorando as demandas regionais. Entre dez obras sob responsabilidade do governo de São Paulo para enfrentar o gargalo logístico, apenas uma se concretizou – o viaduto do KM 262 da Piaçaguera-Guarujá. Pior: com o Rodoanel, quase 10 mil caminhões chegam mais rapidamente à região. Um colapso total na Piaçaguera é apenas um dos indícios do caos anunciado.


Felizmente, o Governo Federal entra em cena, com investimentos que deverão girar em torno de R$ 1,5 a R$ 2 bilhões, segundo estimativa inicial. Embora essa nova perspectiva seja aberta, não podemos deixar de cobrar a participação do Governo do Estado e nem permitir que este se mantenha de costas, ignorando as prioridades da nossa região.


*Maria Lúcia Prandi é deputada estadual pelo PT-SP 

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.