Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

domingo, 23 de maio de 2010

Insegurança até nas delegacias: 10% dos DPs têm vigias terceirizados

/ On : domingo, maio 23, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
As unidades da Polícia Civil do Estado estão contratando vigilância noturna terceirizada. Levantamento feito pelo jornal O Estado de São Paulo, publicado em notícia veiculada nesta quinta-feira (20/5), mostra que um em cada dez DPs que fecham à noite no interior de São Paulo conta com a vigilância particular.

A recomendação parece vir da própria Secretaria de Segurança Pública. O delegado seccional de Botucatu, Antonio Soares da Costa Neto, disse ao jornal que vai atender à recomendação da Secretaria e contratar empresas de segurança. No município, a Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise), a Ciretran, a Delegacia da Mulher e os quatro DPs fecham à noite e não têm vigilância.

Em Tatuí, só a Delegacia da Mulher tem vigias contratados pela prefeitura. A Ciretran local já foi roubada duas vezes nos últimos dois anos. Delegados reclamam que o problema maior é a falta de funcionários. Distritos e delegacias funcionam graças ao pessoal cedido pelas prefeituras.

O diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior - Deinter-7, Weldon Carlos da Costa, disse que passou uma orientação “clara por escrito” aos delegados para que as unidades seja dotadas de equipamentos de segurança. “O delegado tem de ver qual a sua necessidade. Se for uma empresa de vigilância, ele encaminha o pedido”, disse o diretor.

A não contratação de uma empresa de vigilância foi a principal causa do afastamento do delegado que respondia pelo 1º DP de Salto, na região de Sorocaba, onde uma mulher foi roubada e, dias depois, a unidade foi invadida.

Na Capital, a determinação com relação a segurança não é diferente. Todos os distritos policiais, mesmo os que ficam fechados, contam com pelo menos dois agentes destacados para o turno da noite e da madrugada.

* com informações do jornal O Estado de São Paulo - 20/5/2010

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.