Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Folha de SP permanece censurando sátira "FAlha de São Paulo"; imprensa faz silêncio sobre o caso

/ On : quinta-feira, junho 02, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com


27 maio 2011

Folha X fAlha! Audiência de conciliação termina sem acordo e tem até bate-boca com advogada!


(para acompanhar o caso, acesse o site Desculpe Nossa Falha)

Forum João Mendes, tarde de quinta-feira, 26 de maio, audiência de conciliação do caso Folha X fAlha. Conversa vai, conversa vem…a advogada da Folha, Taís Gasparian, alega que estávamos usando indevidamente a marca, as fontes, o logo, o X, o Y, o sei lá o quê  da Folha… bocejo…. e nós, de nosso lado, seguimos argumentando o óbvio de sempre: liberdade de expressão, colegas do “Jornal do Futuro”´. Em resumo: sinto muito, mas liberdade de expressão vale a favor e vale também contra vocês. Vossa marca é Folha, e não fAlha. Em um dado momento, vendo que a coisa não ia pra frente, uma das advogadas-conciliadoras do Forum que conduzia a audiência diz: “acho que temos um impasse”. E eu: “Claro que temos. É o mesmo impasse desde sempre: a doutora Taís acredita que a proteção da marca se sobrepõe à liberdade de expressão. E nós acreditamos que a liberdade de expressão se sobrepõe à defesa da marca”. E ela: “Você pare de personalizar as coisas desse jeito! EU ESTOU AQUI REPRESENTANDO A FOLHA!!”, disse a advogada do maior jornal do país, erguendo (bastante) a voz, estufando o tailleur e me metralhando com o olhar. “Você me fez ataques pessoais na internet, e isso tem que ter um fim agora!!!”, completou, erguendo a voz ainda mais. “Então me processe”, respondi de bate-pronto. Foi a deixa para que a advogada-conciliadora pedisse calma, para que Taís começasse a rir e retomasse o ar superior de antes e para que eu protestasse: “peça calma à doutora que está aqui na nossa frente me acusando”.
Provavelmente a advogada da Folha está se referindo às duas vezes em que foi citada em nosso blog, no texto “Taís Gasparian e a Folha inauguram a nova censura” (17\11\2010), aonde eu aponto sua incoerência em ora dizer que defende a liberdade de expressão e ora atacá-la frontalmente, e no breve post “Advogada que nos censurou vai a encontro de mídia no México defender a liberdade de imprensa (?!)” (8\11\2010) de título autoexplicativo. Convido qualquer um a ler os textos e localizar qualquer “ataque pessoal”. Talvez seja mais fácil achar ataques pessoais na ação que ela montoupara nos censurar, na qual nos acusa de “manifesto ardil”, diz que queríamos “explícita e intencional confusão” e usa uma jurisprudência para nos comparar a uns picaretas de São Bernardo do Campo que vendiam computadores passando-se pela Dell.
Não adianta esconder Taís: em nome da Folha você pediu uma multa DIÁRIA de R$ 10 mil caso mantivéssemos a fAlha no ar
Folha & Taís estão também querendo que a Justiça nos obrigue a pagar DINHEIRO ao jornal, por “danos morais”. Ah, a moral...
Pedido de indenização
Para não restar dúvidas...
Então cara doutora, me desculpe. Mas você ficar posando de defensora da liberdade de expressão em faculdades e congressos por aí e depois vir assinar uma peça inédita no Brasil, condenada por toda comunidade blogueira nacional,pela ombudsman do jornal que paga seus honorários, por entidades internacionais como a Repórteres Sem Fronteiras, por ativistas brasileiros (comoGilberto Gil) e internacionais (comoJulian Assange), pela mídia internacional (Wired, Financial Times) e querer dizer que não tem nada a ver com isso…. ah, faça-me o favor. TEM SIM. Fica aqui o convite: escreva um texto defendendo claramente sua posição, explicando como não é censura pedir uma liminar cobrando multa diária de R$ 10 mil caso mantivéssemos nosso blog de paródia no ar. Escreva sua justificativa e eu publico aqui. Ou então, se não quiser, reforço outro convite feito ontem na sua cara: me processe.
E tem mais. Na audiência, quando eu lembrei aos advogados conciliadores que o blog estava fora do ar porque uma liminar nos ameaçava com multa diária de mil reais caso continuássemos, Taís retrucou, com ar indignado: “foi o juiz que arbitrou esse valor”. Respondi: “sim, porque o juiz reduziu em 10 vezes o valor que a senhora pediu em nome da Folha, que era uma multa diária de 10 mil reais”. A doutora então mudou de assunto.

“Falem também do Estadão, da Veja…”
“Vocês não podem fazer um site só sobre a Folha, inteiro baseado no conteúdo da Folha. Vocês poderiam fazer um site que falasse do Estadão, do Globo, da Veja, do Jornal do Brasil e aí de vez em quando falasse da Folha também”. Estava duro de acreditar no que dizia na nossa frente a advogada que assina a ação do jornal contra eu e meu irmão, Mário Ito. Para ter certeza de que era isso mesmo que Taís dizia, peguei algumas cópias do site cassado a pedido dela (e a mando da Folha), que estavam em cima da mesa e usei como exemplo: “Olhe aqui doutora, não tem isso de usarmos só material da Folha, só aqui nessas duas folhas, metade é produção nossa, esse vídeo do You Tube nós que fizemos, essas fotomontagens também são produção nossa…”, ao que ela me interrompeu: “mas é tudo baseado na Folha, vocês não podem fazer um site inteiro baseado na Folha”. Sim, caro leitor. Foi isso mesmo o que ela disse. E completou: “isso configura-se claramente concorrência parasitária”. Oi?
Quero acreditar que a doutora estava nos dando uma dica, um toque… sei lá… porque não é possível que uma advogada supostamente tão boa e experiente estivesse querendo dizer isso literalmente, que não podíamos falar só da Folha… Mas ela disse. E tinham outras 10 pessoas na pequena sala em que estávamos –além dela– que podem confirmar suas palavras. Podem confirmar isso e seu destempero lá do começo do texto. Repito, DEZ testemunhas fora a doutora: eu, meu irmão, dois advogados e um estagiário que nos acompanhavam; uma advogada e uma funcionária que acompanhavam Taís e que sei lá porque não se identificaram e, da parte do Forum, duas advogadas-conciliadoras e um escrivão.
Em suma, sobre a tentativa de acordo: nessa tal audiência conciliatória a Folha propôs que não usemos mais o logo, as fontes, conteúdo, fotos, nada registrado ou que caracterize o projeto gráfico etc etc. Se fizermos isso, eles liberam o site. Que bacana! Com tantas restrições, o fAlha de S. Paulo poderia voltar ao ar como um ótimo site de… jardinagem. Ou parodiando o Estadão, sei lá. É como alguém falar assim: olha, você pode parodiar o Lula. Mas não pode usar barba postiça, voz rouca, terno, nem ser barrigudo. Ah, também não pode ser baixinho nem falar com a língua presa. Tirando isso, fique à vontade! Nossa contraproposta: trata-se de paródia, de liberdade de expressão, é Falha e não Folha, temos que ter o direito a usar tudo, sinto muito. Mas já que o jornal alega em sua ação que as pessoas poderiam se confundir, nos propusemos a por, ao lado do logo, um aviso dizendo algo como “Isto não é um jornal” ou “Isto não é a Folha”. Taís disse que não tinha como responder. Saiu então da sala, ligou pra alguém e voltou dizendo que esse alguém também não tinha autonomia para autorizar o acordo. Ficou então de ir pessoalmente falar lá com algum barão ainda mais barão de Limeira e nos dar uma resposta depois.

PS – Sei que alguns vão pensar “ah, mas essa Taís não tem nada com isso, ela só representa a Folha”. Justamente! Eu gostaria de debater com o Otavinho Frias, mas ele vai lá? Debato com quem dá. E vem cá, o que é a Folha, o que é uma grande empresa? Sempre tem alguém por trás, normalmente o mesmo alguém que ganha a maior bolada no fim do ano e o mesmo alguém pra quem é preciso telefonar na hora em que a porca torce o rabo. Como se debate com uma pessoa jurídica? Discuto com o prédio, com o logotipo, com uma pilha de jornais velhos, com o telemarketing? Conforme já escrevi  com mais detalhes, empresas têm rosto. E seria melhor para o mundo que tivessem cada vez mais.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.