Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

PF investiga desvio de verba no Interior de São Paulo

/ On : sexta-feira, fevereiro 04, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
A Polícia Federal (PF) de Jales deflagrou na manhã desta quinta-feira, 3, a Operação SARC, que investiga o desvio de dinheiro público federal destinado à área social de Santa Clara d’ Oeste, no interior de São Paulo. Os valores furtados
 nos últimos anos podem ultrapassar R$ 500 mil, de acordo com a PF.
Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão, na cidade de Santa Clara d’ Oeste, na sede do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) e nas residências do coordenador do CRAS no município e da proprietária de uma empresa de assessoria da
 cidade.
A Prefeitura de Santa Clara d’ Oeste, por meio do CRAS, estaria desviando recursos vindos do Ministério do Desenvolvimento Social, destinados ao pagamento de cursos e palestras que seriam oferecidos à população.
A PF apurou que a Prefeitura firmou convênio para receber os recursos, mas alguns cursos e palestras não foram ministrados e, mesmo quando aconteciam, não significavam custos à prefeitura, pois as palestras eram dadas por funcionários da própria
 prefeitura e em horário de expediente.
Os valores eram recebidos por meio de notas fiscais emitidas por uma empresa de assessoria da cidade. A empresa é de propriedade da irmã do coordenador municipal do CRAS.
Durante as buscas foram apreendidos documentos que indicam haver outras prefeituras da região que estão utilizando o mesmo esquema para desviar a as verbas federais,
Os envolvidos devem responder pelos crimes de peculato e fraude à licitação, que juntos têm pena mínima de quatro anos de prisão e máxima de 16 anos. Caso sejam condenados por improbidade administrativa, além da devolução da quantia desviada, os servidores públicos beneficiados pelo esquema poderão perder o cargo público.
 Pedro da Rocha

http://blogs.estadao.com.br/jt-seguranca/pf-investiga-desvio-de-verba-no-interior/

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.