Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

domingo, 9 de janeiro de 2011

O ajuste fiscal permanente: Geraldo Alckmin cita pente-fino como 'dever' e nega crise.

/ On : domingo, janeiro 09, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
Governador diz que não há 'auditoria' na gestão Serra, mas 'esforço permanente de ajuste fiscal'.
(do Estado de SP)

Disposto a estancar a cizânia entre as alas do PSDB paulista, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), tentou minimizar nesta quarta-feira, 5, os efeitos do pente-fino nos contratos com empresas terceirizadas da gestão José Serra/Alberto Goldman. Ele rechaçou o termo "auditoria" e afirmou que existe um "esforço permanente de ajuste fiscal".
Como argumento para a ação de governo, Alckmin evocou outros pentes-finos realizados pela gestão Mário Covas, por seu próprio governo, em 2003, e pela gestão Serra, em 2007. E a classificou como um "dever".
"Não há nenhuma auditoria, nem haverá nenhuma auditoria no governo. O que existe é um esforço permanente de ajuste fiscal. Que o Mário Covas fez, eu fiz, o Serra fez, e é meu dever fazê-lo de novo", afirmou o tucano, após a missa em memória do ex-governador Orestes Quércia, em São Paulo.
No entanto, a discórdia entre os dois grupos se acentuou exatamente quando Serra fez a revisão de 2007 na gestão Alckmin. Secretários fazem coro ao governador para conter os efeitos da decisão e negam que haja espírito revanchista. Serra, que também estava na missa, não quis comentar a iniciativa de seu sucessor.
As declarações de Alckmin, no entanto, vão na contramão do que afirmou anteontem o secretário de Gestão, Julio Semeghini, ao receber o cargo. Em sua primeira entrevista coletiva, Semeghini observou que o governo fará uma revisão dos contratos com terceirizadas, hoje no valor de R$ 4,1 bilhões - cifra inferior apenas à folha do Estado.
Indagado sobre as afirmações de Semeghini, Alckmin disse que "não há nenhuma revisão de contratos". "O que nós vamos fazer é procurar um esforço ainda maior de redução de custos. Especialmente na área de custeio. Para quê? Para poder ter um pouco mais de recurso para investimento naquilo que a população precisa", anotou.
Metas. Alckmin discutirá sua gestão em reuniões marcadas para amanhã, com o governador de Minas, Antonio Anastasia (PSDB), e para segunda-feira, com o consultor Vicente Falconi, do Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG).
Em ambos os casos, o foco deve ser um planejamento de gestão por metas, como o realizado em Minas pelo ex-governador e senador Aécio Neves (PSDB). Anastasia sucedeu a Aécio e colheu os resultados de Falconi, que foi o mentor desse processo.
Alckmin confirmou nesta quarta-feira, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que estuda a venda do edifício onde está a Secretaria do Planejamento, no Itaim, como revelou ontem o Estado, para otimizar a administração. "Se vender esse prédio, compramos um cinco, seis", afirmou.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.