Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Ajuste fiscal permanente - Parte 4: Falta de investimentos e de desassoreamento do rio Tietê agravam as inundações em SP.

/ On : terça-feira, janeiro 11, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
(do Transparência SP)

A cidade de São Paulo continua crescendo de maneira errada, com a cumplicidade da autoridade municipal. Somada a esta inação, encontramos também a falta de investimentos adequados do governo do Estado de SP na elaboração e implantação de um plano metropolitano de drenagem.
Mais ainda, conforme já divulgado anteriormente, nem a limpeza constante do rio Tietê foi realizada corretamente durante o governo Serra, reduzindo a sua capacidade de vazão.
Com as chuvas de verão, o drama das enchentes se repete. Colocar a culpa em São Pedro e na falta de educação da população também.
Segue abaixo ótima matéria da Folha de SP sobre o que falta para enfrentarmos as enchentes:

Enchentes em São Paulo não melhoraram
É preciso eliminar a fonte original dos problemas com as chuvas: a total ausência de regulação técnica adequada do nosso crescimento urbano

por Álvaro Rodrigues dos Santos, em Tendências/Debates da Folha de S. Paulo

Mal começaram as chuvas do verão 2010/2011 e as enchentes voltam a atormentar a vida dos moradores da metrópole paulistana. Diante dos anualmente repetidos relatórios oficiais dando conta de variadas realizações de programas de combate às enchentes e da realidade crua, mostrando a todos que não houve nenhuma melhora substancial na extensão e na intensidade das enchentes, há que se perguntar: o que falta realmente para que a metrópole seja aliviada desse absurdo flagelo?
Fundamentalmente, e essa deveria ser a primeira e principal providência de qualquer programa de combate às enchentes, é preciso parar de errar. Às escâncaras dessa desgraça toda, a metrópole continua a crescer cometendo os mesmos crassos erros que estão na origem das enchentes e em sua contínua intensificação.
Entre eles estão a prevalência da cultura da impermeabilização e a expansão da mancha urbana por espalhamento horizontal sobre regiões progressivamente mais montanhosas, desmatando, produzindo áreas planas por terraplenagem, expondo solos a violentos processos erosivos, com geração anual de milhões de metros cúbicos de sedimentos que, por assoreamento, comprometem drasticamente a capacidade de vazão de nossos rios, córregos e drenagens construídas.
Essa é a equação básica das enchentes, volumes crescentemente maiores de água, em tempos sucessivamente menores, sendo escoados para drenagens naturais e construídas progressivamente incapazes de lhes dar vazão.
Essa é a realidade, e não haverá milagre tecnológico que conseguirá algum bom resultado sem que se elimine a fonte original de nosso enorme problema: total ausência de uma regulação técnica adequada do crescimento urbano. Ou seja, antes de mais nada, é preciso que as maiores autoridades públicas estaduais e municipais deem um sonoro tapa na mesa e imponham a elementar decisão: “A partir de hoje, paramos de errar!”.
Com essa essencial decisão tomada, cabe então inteligentemente agir sobre o enorme passivo urbano acumulado, consequência dos erros até então insensatamente cometidos, e isso implica dar continuidade às ações estruturais de ampliação da capacidade de vazão de nossos principais rios, com seu permanente desassoreamento.
Implica também a profusa implementação de ações não estruturais, voltadas a aumentar a capacidade de retenção de águas de chuva em toda a metrópole.
Destacam-se entre essas ações: a desimpermeabilização dos espaços urbanos públicos e privados; a instalação de pequenos e médios reservatórios domésticos e empresariais de acumulação e infiltração; o intenso plantio de médios e pequenos bosques florestados; e o rigoroso e extensivo combate à erosão nas frentes de expansão urbana, assim como o combate ao lançamento irregular de lixo e entulho.
Por fim, precisamos conceber um plano de combate às enchentes que tenha articulação metropolitana, o que possibilita a reunião de todas as iniciativas sob diretrizes técnicas e gerenciais comuns.
* Álvaro Rodrigues dos Santos, geólogo, é consultor em geologia de engenharia, geotecnia e meio ambiente. Foi diretor de Planejamento e Gestão do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) e diretor da divisão de geologia. É autor, entre outras obras, de “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.