Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

sábado, 2 de outubro de 2010

A POLÍCIA CIVIL TEM DOIS INIMIGOS: OS MARGINAIS E O PSDB - Candidato suspeito de ligação com o PCC dá assistência jurídica a presos

/ On : sábado, outubro 02, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com

fazer um comentário »

02/10/2010 – 07h00


ANDRÉ CARAMANTE
DE SÃO PAULO
A Polícia Civil de SP detectou nos últimos dias que o ex-detento e candidato a deputado federal pelo PSC (Partido Social Cristão) Claudinei Alves dos Santos, 30, o Ney Santos, ajuda a prestar assistência jurídica para presos no Estado de São Paulo.
Ney Santos é acusado pela polícia de usar uma rede de 13 postos de combustível, uma ONG e uma factoring para lavagem de dinheiro e de ter elo com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).
A polícia descobriu que Ney Santos ajuda presos com assistência jurídica quando quatro homens foram presos na tarde do dia 27, na zona oeste de São Paulo, sob a acusação de roubar a casa de Messias Candido da Silva, ex-prefeito de Cajamar (Grande SP). O roubo ocorreu dia9. 
Os quatro presos contaram com a ajuda de um motorista da Prefeitura de Cajamar no roubo. O motorista passou detalhes sobre a rotina do ex-prefeito e, até ser descoberto, também ajudava a tramar um outro roubo contra uma vereadora da cidade.
Depois da prisão dos quatro acusados, Santos foi procurado para enviar advogados para defendê-los.
Desde o dia 14, quando a Polícia Civil, fez uma operação contra Santos, a reportagem pede uma entrevista com o candidato a deputado federal, mas ele não fala.
O advogado de Santos, Francisco Assis Henrique Neto Rocha, disse que seu cliente é inocente e não tem ligações com o PCC.
Segundo Rocha, as acusações da polícia contra seu cliente são “atos desesperados por nada ter sido achado contra ele e também porque Santos será eleito como deputado federal”.
A análise inicial dos documentos apreendidos dia 15 pela Polícia Civil na operação contra Santos apontou que ele movimenta R$ 6 milhões por mês com sua rede de postos de combustível.
Desde quando saiu da prisão, Santos juntou, segundo a polícia, patrimônio de mais de R$ 100 milhões. O candidato teve todos os seus bens bloqueados por ordem da Justiça, inclusive uma Ferrari de R$ 1,4 milhão, por ser suspeito de usar “laranjas” no seu esquema.
PENITENCIÁRIAS
A Polícia Civil também sabe que Santos e seus assessores políticos têm preparado uma mobilização nas penitenciárias paulistas. O objetivo dele é conseguir apoio para receber votos dos parentes dos detentos no domingo.
A campanha de Santos mapeou todas as prisões e as dividiu por região do Estado para saber onde tem chance de obter mais votos e para melhorar o desempenho nas áreas onde ele não conseguiu ter parcerias políticas.
COMPRA DE VOTOS
A Justiça Eleitoral de São Paulo analisa desde sexta-feira (24) uma denúncia feita pelo Ministério Público Eleitoral contra Santos por oferecimento de vantagem em troca de votos.
Segundo a denúncia, Santos teria ofereceu vale-combustível em troca de votos, quando participou de um churrasco, no último dia 12, realizado em creche conveniada da Prefeitura de São Paulo, na zona Sul da capital.
O local fica a 900 metros de um posto de combustível que pertence ao candidato e a um sobrinho dele.
O candidato tem dez dias para apresentar sua defesa. Após análise da defesa, o juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Aloísio Sérgio Rezende Silveira, confirmará ou rejeitará a denúncia.
Terça-feira, uma mulher e um adolescente, de 17 anos, foram presos sob a acusação de traficar drogas em Embu, um dos focos políticos de Santos. Com a droga apreendida, guardas municipais encontraram “santinhos” de Santos e, segundo os dois presos, o material era entregue a quem comprava drogas com ambos.
A mulher presa disse à polícia que recebia R$ 40 e também uma cesta básica para distribuir os panfletos aos usuários de droga.
SALVO-CONDUTO
Santos foi considerado foragido da Justiça entre os dias 17 e 23 deste mês, quando o Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu a ele um salvo-conduto, em um pedido de habeas corpus.
No dia 17, Santos teve a prisão temporária decretada _por cinco dias. De acordo com o TJ, Santos não pode ser preso por causa da lei que impede a prisão de pessoas até 48 horas depois do encerramento da votação de 3 de outubro.
Caso não consiga revogar a prisão temporária, Santos voltará ser considerado foragido às 17h de terça-feira (5).
ALIANÇAS INUSITADAS
Mesmo acusado pela polícia de vender combustível adulterado, Santos conseguiu firmar uma “dobrada” política com o candidato a deputado estadual Alcides Amazonas, do PC do B, ex-vereador de São Paulo.
De 2005 a abril deste ano, Amazonas foi chefe de fiscalização da ANP (Agência Nacional de Petróleo) e tinha como missão combater a venda de combustível adulterado no Estado e essa é sua principal bandeira política para chegar à Assembleia.
Em um material impresso da campanha de Santos, Amazonas afirma que, “durante mais de dez anos à frente da ANP tive que lacrar centenas de postos da gasolina que vendiam combustível, mas jamais encontrou qualquer irregularidade nos postos de propriedade de Ney [Santos]“.
Ao ser questionado pela Folha, Amazonas disse não saber que Santos era dono de postos de combustível, que não sabia que o aliado político suspeito de ligação com o PCC e que já desfez a “dobrada” política com ele.
Outro político que fazem “dobrada” com Santos é o deputado estadual e Said Mourad, também do PSC e membro da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de SP. Procurado, Mourad não atendeu ao pedido de entrevista.
Hoje, um dos aliados políticos Santos é Quinzinho Pedroso, candidato a deputado estadual pelo PDT e ex-prefeito de Cotia (Grande SP), já investigado pela PF suspeito de desviar verbas públicas.
Um dos assessores de Pedroso, Maurício André, disse que o candidato não sabia dos possíveis problemas criminais de Santos e que o ex-prefeito tem outras 40 “dobradas” políticas.
PROTEÇÃO POLICIAL
O investigador Luis Fernando Ferreira de Souza, conhecido como Fernandinho e que atua na 2ª Delegacia Seccional Sul, uma espécie de central da Polícia Civil em parte da região sul de São Paulo, foi identificado como um dos homens que fazem a escolta pessoal de Santos.
Souza, que está em férias desde agosto, distribui santinhos com sua foto e a do candidato, a quem declara apoio. o policial não foi localizado pela reportagem. Ele é investigado pela Corregedoria Geral da Polícia Civil.
Dois outros policiais civis são ligados a Santos. Um deles, conhecido como Bico, fez um churrasco semana passada em Juquitiba (Grande SP) para impulsionar a campanha do candidato. O outro é conhecido como Sapão e apareceu na contabilidade de Santos, com um valor de R$ 500 anotado ao lado de seu apelido.
O nome do candidato Quinzinho Pedroso aparece na contabilidade da campanha de Santos registrada em junho deste ano como tento recebido R$ 48 mil.
Ao longo de quinta-feira (30), fiscais da Secretaria da Fazenda e peritos forenses investigaram computadores de Santos apreendidos pela polícia na operação do dia 14.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.