Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Baixada Santista espera há 10 anos por transporte integrado

/ On : segunda-feira, setembro 13, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
Entre os muitos projetos tucanos que nunca saíram do papel, está o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) da Baixada Santista. Uma das metas do PPA (Plano Plurianual) do então governador Geraldo Alckmin e também promessa de José Serra, a implantação do sistema ainda está longe de virar realidade.

O projeto do VLT veio para substituir o TIM (Trem Intermunicipal), um trem que ligava o centro da cidade de São Vicente ao subúrbio de Santos. Operou por alguns anos, até que, em meados de 1999, o sistema teve seus serviços interrompidos pelo governo estadual pela situação lastimável em que se encontrava.

Embora funcionando precariamente, o TIM absorvia uma demanda importante e era fundamental para os moradores da área continental vicentina. A população passou a depender exclusivamente do transporte rodoviário, com todos os problemas: superlotação, atrasos e altas tarifas.

O governo do Estado prometeu remodelar e modernizar o sistema substituindo o TIM pelo VLT. Foi criado um projeto que aproveitava a linha do antigo TIM, ligando, numa primeira fase, a área continental de São Vicente ao porto de Santos.

Este sistema incluía a troncalização das linhas de ônibus formando o SIM (Sistema Integrado Metropolitano) da Baixada Santista.

O governo de Geraldo Alckmin (2003-2006) chegou a orçar R$ 16,568 milhões para a implantação do SIM, mas nenhum centavo sequer foi realmente investido.

Passados vários anos de morosas negociações e estudos sobre o projeto, o governo estadual aprovou apenas uma modelagem de PPP, mas ainda não ocorreu a licitação, ou seja, não há nenhuma previsão de início para as obras.

O governador Alberto Goldman já anunciou que o projeto do VLT ficará para o próximo governo realizar, assim como o início das obras da ponte estaiada que ligará Santos a Guarujá e que chegou a ser “inaugurada” por meio de maquete por José Serra.

“Mal posso acreditar. Depois de todo o estardalhaço, das dezenas de reuniões, dos prazos anunciados, das audiências públicas e de muitas certezas, o governo do Estado recua e põe um fim ao que julgávamos ser sério”, indignou-se a deputada do PT Maria Lúcia Prandi.

Para o deputado Fausto Figueira, a melhoria no sistema de transporte coletivo na Baixada Santista é uma antiga e justa reivindicação da população local. “Esta integração é necessária e há tanto tempo adiada”, afirmou o deputado.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.