Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Prefeitura de SP "beira o descaso" ao barrar conferência de saúde, diz vereadora

/ On : quarta-feira, agosto 18, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com


Promessa de realizar conferência municipal de saúde se arrasta há meses, o que prejudica organização do setor. Conselheiro de saúde critica resistência da gestão municipal a aceitar a participação social
Publicado em 16/08/2010, 15:15
Última atualização às 17:01
Prefeitura de SP "beira o descaso" ao barrar conferência de saúde, diz vereadora
(Foto: Paulo Pepe)
São Paulo - Há quase três anos à frente da Secretaria Municipal de Saúde, Januário Montone, não participou de nenhuma reunião do Conselho Municipal de Saúde. O secretário também contabiliza críticas por não ter realizado a 15ª Conferência Municipal de Saúde, afirma o coordenador da Comissão Executiva do Conselho Municipal de Saúde da capital paulista, Frederico Soares de Lima. Além de aguardar a participação do secretário de saúde no conselho da área, a capital paulista também espera há mais de um ano pela Conferência Municipal de Saúde.
Após frustrar as expectativas de que ocorreria em 2009, a etapa municipal foi prometida pelo secretário para o primeiro trimestre de 2010. Entretanto, seis meses depois nada aconteceu. "Falta vontade do gestor de fazer a conferência", classifica o coordenador. A última edição  ocorreu em setembro de 2007.
Para o ativista de saúde, a falta de empenho da prefeitura na realização da 15ª Conferência Municipal de Saúde revela a face antidemocrática da gestão municipal. "Parece que a participação democrática atrapalha a intenção deles", define. "A gestão municipal ignora práticas participativas", reitera.
Segundo a vereadora Juliana Cardoso (PT), da Comissão de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher da Câmara de Vereadores de São Paulo, o "desinteresse e a falta de transparência da Prefeitura beiram o descaso". “A atual gestão tem dificuldades para dialogar com os setores populares e parece que tem medo do povo”, comentou a vereadora Juliana Cardoso.
“Isso demonstra o autoritarismo da Prefeitura, já que as conferências são conquistas sociais previstas em leis nas esferas federal, estadual  e municipal”, critica a parlamentar. A reportagem daRede Brasil Atual procurou a Secretaria Municipal de Saúde, mas o órgão não respondeu até às 15h desta segunda-feira (15).

A conferência

O principal objetivo da conferência, segundo Lima, é ouvir os usuários e elaborar políticas públicas para a saúde com base nas necessidades da população. "A comunidade organizada na base faz pré-conferências e leva suas reivindicações para a etapa municipal. O que é necessário em termos de políticas para melhorar a saúde e lá é submetido à aprovação ou não", explica o conselheiro. "O que é aprovado na conferência deveria no mínimo ser considerado pelo gestores e ser contemplado no plano municipal de saúde", detalha Lima.
Conselho Municipal de Saúde

  • O conselho é composto de 64 membros, 32 titulares e 32 suplentes.
  • 50% dos conselheiros representam os usuários; 25%, os trabalhadores na saúde e outros 25%, o governo municipal.
  • O secretário Municipal de Saúde é o presidente nato do conselho.
Enquanto a conferência não acontece, o conselheiro expõe que a saúde no município não reflete a necessidade dos usuários. "O que temos hoje é um plano feito por técnicos da gestão sem considerar as conferências para que esse plano contemple minimamente a necessidade da base", constata. Como exemplo, ele cita a demora entre o primeiro atendimento aos usuários e o tratamento necessário à população. "Há casos de exame ou consulta de especialidade que demora mais de um ano", conta Lima.
"A gente tem de ir discutindo apontando e vendo de que forma resolver. Mas sem ouvir a base fica difícil ter uma gestão mais adequada da saúde", opina o conselheiro.

Pressão

Para pressionar a realização da conferência, Lima pediu intervenção da Comissão de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher da Câmara de Vereadores de São Paulo. Ofício do coordenador da Comissão Executiva do Conselho Municipal de Saúde, de 28 de junho de 2010, solicita diretamente à Casa Legislativa a publicação no Diário Oficial do Município, das decisões da reunião do Conselho Municipal de Saúde. A publicação das deliberações é de responsabilidade de Montone, mas não ocorre há vários anos. "(O secretário) não homologou nenhuma resolução feita pelo conselho. E foram diversas", enumera.
Entre as decisões do Conselho Municipal de Saúde estão a convocação da 15ª Conferência Municipal de Saúde e que as deliberações sejam balizadoras do Plano de ações da prefeitura de 2010 a 2013. O conselho também decidiu reprovar o plano municipal de saúde de 2008 e 2009 e o relatório de gestão de 2007 e 2008 e pedir a apresentação do relatório de gestão de 2009. "O plano municipal de saúde foi apresentado em meados de abril de 2009, faltando sete meses para terminar. Por isso, o conselho decidiu não aprovar", explica o coordenador.

Adiamento

De acordo com Lima, a justificativa da secretaria para adiamentos consecutivos da conferência seria a impossibilidade de fornecer apoio logístico ao conselho para a realização do encontro. "Disseram que não era uma questão financeira, mas de apoio logístico", aponta. O conselho precisa do apoio de técnicos da prefeitura para a realização da conferência.
Apesar disso, em janeiro, a prefeitura realizou um encontro com conselheiros de base da saúde, para o qual mobilizou 1.500 pessoas. "Providenciaram ônibus, local, tudo para realizar o encontro, mas para a conferência não podem mobilizar técnicos", diz Lima. "Essa justificativa foi por água abaixo, quando mobilizaram toda a rede de atenção básica da cidade para o 'megaevento', sem a participação do conselho municipal", descreve.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.