Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Troca de imagens sensuais pela web prejudica adolescentes

/ On : sexta-feira, maio 14, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com


Especialista alerta pais e jovens sobre riscos da nova moda na internet





Troca de imagens sensuais pela web pode prejudicar adolescentes
Sexting expõe adolescentes na internet (Foto: Jakub Krechowicz/Sxc.hu)
São Paulo - Um em cada dez adolescentes já publicou fotos íntimas na internet. O mesmo número também já namorou pelo menos uma vez pela rede. Os dados são de uma pesquisa sobre segurança na internet e redes sociais realizada pela ONG Safernet, que combate crimes e violações aos Direitos Humanos na web.
A pesquisa, realizada com 732 educadores e 2.159 estudantes no segundo semestre de 2009, revelou que os adolescentes brasileiros aderiram à troca virtual de fotos e vídeos sensuais por celular e computador, chamada de "sexting" – combinação dos termos em inglês "sex" e "texting".
"O 'sexting' é o fato de os próprios adolescentes tirarem fotos ou fazerem vídeos com cenas eróticas ou sensuais (de si mesmos) e mandarem para os colegas", explica Rodrigo Nejm, diretor de prevenção da Safernet.
A prática é, entre os adolescentes, um complemento virtual do jogo das "pulseiras do sexo". "Na escola trocam a pulseira e pela internet trocam uma foto íntima. (O adolescente) vai e tira uma foto seminu ou nu e manda uma mensagem ou vídeo", descreve o especialista.
O jogo é preocupante por se tratar de um conteúdo adulto para pessoas que ainda estão em desenvolvimento, alerta Nejm que também é psicólogo. "A produção de imagens sexuais pelo próprio adolescente e também o acesso a conteúdos de pornografia, dependendo da idade, pode comprometer o desenvolvimento desse jovem", assegura. Ele considera que pré-adolescentes e adolescentes são ainda imaturos para lidar com esse tema.
Nejm conta que em Belém (PA) um casal de jovens gravou cenas de sexo dentro da escola e publicou no Youtube, com repercussão em toda a cidade. "Mas, um dia depois, surpreendentemente, os alunos de outras escolas começaram a competir para ver quem tinha o vídeo mais visto na rede", comenta.

Crime

A produção ou publicação de conteúdo erótico, envolvendo crianças e adolescentes é crime, lembra o especialista. Mas no caso do "sexting" o enquadramento é complexo porque é o próprio adolescente produzindo conteúdo que pode colocar sua vida em risco.
"É o jovem cometendo um crime contra ele mesmo", analisa. "É preciso tratar isso no âmbito da educação e da prevenção, para criar a consciência das consequências de seus atos", ensina Nejm.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.