Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

sexta-feira, 7 de maio de 2010

CASO ALSTOM: MP da Suiça acusa banqueiro de enviar propina para tucanos integrantes do governo paulista.

/ On : sexta-feira, maio 07, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
Pela primeira vez em sete anos de investigação, o Ministério Público da Suíça acusou formalmente um suspeito de ter mediado pagamento de supostas propinas da empresa francesa Alstom para garantir contratos públicos no Brasil, como o do Metrô de São Paulo, e licitações em outros países.

do Jornal da Tarde
O suspeito é o banqueiro suíço Oskar Holenweger, que foi acusado por lavagem de dinheiro e administração de recursos provenientes de corrupção de um “grupo industrial francês”. O MP confirmou que as investigações mostraram relações com o Brasil.
Os suíços já bloquearam contas no nome de 19 brasileiros por também serem suspeitos de envolvimento com recebimento e pagamento de propinas da Alstom. Entre eles estão Jorge Fagali Neto, ex-secretário de Transportes de Luiz Antonio Fleury Filho, em 1994, e irmão do presidente do Metrô, e Robson Marinho, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), apontados como os maiores beneficiários do esquema.
O Ministério da Justiça prometeu encaminhar à Suíça e à França pedidos de quebra do sigilo bancário das 19 pessoas e de empresas suspeitas de receber propina da Alstom para que ela fosse declarada vencedora de concorrências do governo de São Paulo.
A suspeita é de que a multinacional utilizou cerca de R$ 800 milhões para pagar propinas a funcionários públicos do Brasil e outros países responsáveis pelas contratações. Destes, R$ 15 milhões teriam sido desviados pelo banqueiro. A Alstom nega qualquer envolvimento em atos ilegais e diz estar colaborando com todas as investigações.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.