Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

terça-feira, 18 de junho de 2013

O que está acontecendo em São Paulo nos últimos dias.

/ On : terça-feira, junho 18, 2013 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
(do Transparência SP)
 
Quando o povo vai às ruas, assistimos a uma aceleração da história. A velocidade das mudanças ou a sua própria direção passam a ser contestadas.
Para a grande mídia brasileira, tudo tem que ser mudado. Os temas centrais, para eles, seriam a corrupção (=mensalão) e a inflação. Acompanhei de perto a manifestação do último dia 17/06 (quinta feira) em São Paulo. Não vi um único cartaz sobre descontrole da inflação no Brasil ou sobre o mensalão. Até sobre a corrupção os cartazes eram pouquíssimos.
Os jovens, na sua maioria, manifestaram o desejo de se aumentar a velocidade de algumas mudanças e mudar a direção de outras questões.
O tema inicial e justo foi o da baixa qualidade dos transportes públicos (ônibus, trens e metrô) e o alto custo deste transporte.
A prefeitura de SP não teve sensibilidade para abrir diálogo com todos os setores e segmentos sociais desde o início do ano. Poderia ter feito através da implantação do Orçamento Participativo. Não o fez. Deixou de dialogar sobre orçamento, prioridades e alternativas para financiar as políticas públicas e melhorar sua qualidade. Também não aproveitou os canais da democracia participativa para dizer o que pretende fazer. O prefeito, ao contrário, aproximou-se do governador. Teve que "correr atrás" do movimento. Parece que começou a fazer isso.
Já o governo Alckmin finge que não tem nada a ver com a tarifa do transporte público. Tenta não chamar atenção para a baixa qualidade do transporte público através dos trens e metrô, que também subiram para R$ 3,20.
Na quinta passada, Alckmin usou a polícia militar para baixar o porrete na manifestação e em quem passava nos arredores. O problema é que os arredores eram a Avenida Paulista e o bairro de Higienópolis, reduto da elite paulistana.
Os protestos começaram por melhorias do transporte público, mas cresceram muito, nesta última segunda feira, contra a violência da polícia e pela livre manifestação democrática.
A grande imprensa tenta esconder esta questão, mas isso esteve muito presente na manifestação, na maior parte dos cartazes e slogans.
Também sobrou para a própria grande mídia, personificada na Rede Globo, identificada pelos manifestantes como manipuladora das informações.
O mais simbólico, para quem conhece manifestações, é para onde o movimento dirigiu a passeata. Elas foram para a Avenida Paulista (centro financeiro da rapinagem), o Palácio dos Bandeirantes (centro político represssor) e a sede da Rede Globo São Paulo (centro midiático manipulador).
Para os manifestantes, todas estas estruturas precisam mudar de direção. A mensagem foi clara. O resto é ficção.

(do blog Pragmatismo Político)

De forma desonesta e irresponsável, Estadão e Folha incitaram a violência da PM em editoriais publicados antes do massacre de ontem. Ambos foram atendidos

violência PM São Paulo
Estadão e Folha incitaram a violência da PM em editorial
(Foto: ABr)

Durante o quarto protesto por conta do aumento da tarifa de ônibus hoje em São Paulo, seis repórteres do grupo Folha foram alvejados à queima-roupa por um policial da Rota, na rua Augusta, em São Paulo. A bala era de borracha, mas os estilhaços feriram 6 profissionais. Dois deles, nos olhos. Essa foi apenas uma das dezenas de cenas de violência protagonizadas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo nesta quinta-feira na capital paulista. As prisões, muitas com indícios de arbitrariedade, contam-se às dezenas.
Poucas horas antes, pela manhã, os dois maiores jornais do Estado chegavam às bancas e às casas dos assinantes com editoriais defendendo uma ação mais dura da PM. O Estadão incitou a violência dos policiais claramente. A Folha, por sua vez, colocou a desocupação da avenida Paulista como ponto de honra, desde o título. Ambos foram atendidos:

“Chegou a hora do basta”, O Estado de S. Paulo:

“A PM agiu com moderação, ao contrário do que disseram os manifestantes, que a acusaram de truculência para justificar os seus atos de vandalismo (…) A atitude excessivamente moderada do governador já cansava a população. Não importa se ele estava convencido de que a moderação era a atitude mais adequada, ou se, por cálculo político, evitou parecer truculento. O fato é que a população quer o fim da baderna – e isso depende do rigor das autoridades (…) De Paris, onde se encontra para defender a candidatura de São Paulo à sede da Exposição Universal de 2020, o governador disse que “é intolerável a ação de baderneiros e vândalos. Isso extrapola o direito de expressão. É absoluta violência, inaceitável”. Espera-se que ele passe dessas palavras aos atos e determine que a PM aja com o máximo rigor para conter a fúria dos manifestantes, antes que ela tome conta da cidade.”

 

“Retomar a Paulista”, Folha de S. Paulo:

“É hora de pôr um ponto final nisso. Prefeitura e Polícia Militar precisam fazer valer as restrições já existentes para protestos na avenida Paulista (…) No que toca ao vandalismo, só há um meio de combatê-lo: a força da lei”.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.