Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

terça-feira, 19 de julho de 2011

Brasil cresce, São Paulo encolhe.

/ On : terça-feira, julho 19, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
(dos blogs Searadionaotoca e Vi o Mundo)

Os jornais do último sábado trouxeram notícias que apontam que a cidade de São Paulo já não é mais o destino preferido dos nordestinos, que preferem permanecer lá ou migrar para outras regiões que não São Paulo.
De um lado, isso se deve à melhoria das condições de vida no Nordeste e Centro-Oeste. De outro, à deterioração das condições de vida, especialmente na capital paulista, cujos símbolos poderiam ser o trânsito caótico, a superlotação do metrô e a insegurança permanente do cidadão.
Além do retorno de migrantes e fuga de engenheiros e mão-de-obra qualificada para o Nordeste e outras regiões do país, essa situação da capital paulista tem levado à expansão das cidades médias do estado de São Paulo, como Sorocaba e Jundiaí.
Essa mudança no movimento populacional se relaciona ao crescimento do mercado consumidor no Nordeste e demais regiões e à perda, pelo Sudeste, de fatia do mercado nacional. Matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, em 1º de maio de 2011, projeta que a região Sudeste perderia algo como R$ 12 bilhões.
O programa “Luz para Todos”, o crescimento do emprego (em várias regiões já vivemos o pleno emprego), as políticas sociais, como a bolsa família e aumento real de quase 50% do salário mínimo, e outras políticas levaram à criação do mercado de massas e à inclusão de milhões de pessoas.
Outro indicador da perda da pujança paulista apareceu na matéria do jornal Folha de S. Paulo, que afirma:
“A diferença entre os salários de São Paulo e do resto do Brasil está diminuindo. E, em algumas regiões e setores, ela já desapareceu.
Levantamento do IBGE comparando o rendimento médio dos trabalhadores da região metropolitana de São Paulo com os de outras cinco — Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife e Salvador — mostra que em todas houve redução da diferença entre 2003 e 2011.
Isso aconteceu porque os salários dos paulistanos e dos habitantes dos municípios vizinhos cresceram em ritmo menor do que os dos trabalhadores das outras regiões metropolitanas.
No Rio, a remuneração média aumentou mais -chegou a R$ 1.682 em fevereiro, superando em R$ 45 a de São Paulo (R$ 1.637)”.
Segundo o blog Transparência SP, “constata-se o baixo crescimento dos rendimentos médios dos paulistanos em relação a outras capitais do país. Reforça-se, mais uma vez, a falta de políticas de desenvolvimento no Estado de SP”.
A melhoria salarial das outras regiões e a carência de mão-de-obra, com a elevação do salário dos mais pobres, contrastam com o discurso da elite paulista que prega a sua supremacia política. Afinal, em seu imaginário, são os doutores como ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que devem governar, e os nordestinos devem ser expulsos de São Paulo.
Curiosamente são os próprios nordestinos que, por não agüentarem mais a deterioração da vida em São Paulo, estão voltando para os seus estados, tal como queria a elite. Ironicamente, são os ricos e classe média paulista que agora vivem lamentando que não consigam mais empregadas domésticas, eletricistas, pedreiros e outros serviços. E começam a perceber que a vida sem eles é mais difícil…..
Todas essas considerações reforçam o cenário que já foi desenhado em texto publicado no Viomundo,  mostrando que a economia paulista perdeu R$ 128 bilhões de 1995 a 2008.
A perda da vitalidade econômica paulista tem trazido outros subprodutos,  como o crescimento de movimentos separatistas e de grupos de características neonazistas que,  segundo reportagem do jornal Agora, chegariam a 250 somente na Grande São Paulo.  Infelizmente, eles têm incrementado ações racistas e xenófobas contra nordestinos e homossexuais. E parte do tom de ódio da campanha de 2010 do candidato José Serra (PSDB) pode ser entendido nesse contexto.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.