Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Metroviários aprovam 8% de reajuste e decidem não parar

/ On : quinta-feira, junho 02, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
Por: Leticia Cruz, Rede Brasil Atual
Publicado em 02/06/2011, 20:45


São Paulo - Os metroviários decidiram em assembleia nesta quinta-feira (2) não entrar em greve, encerrando assim a campanha salarial de 2011. Eles aprovaram a última proposta feita pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) de 8% de reajuste para o salário e vale-refeição.
Pelo acordo, o Metrô também pagará um  vale-alimentação de R$ 150. Segundo o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP), o Metrô se comprometeu "a analisar e corrigir até o dia 30 de junho as defasagens salariais existentes entre empregados de mesmo cargo admitidos pelo mesmo concurso". Para trabalhadores admitidos a partir de 2 de janeiro de 2009 para o mesmo cargo e por meio do mesmo concurso, a empresa diz assegurar o mesmo salário, "com exceção avaliação de desempenho e sanções disciplinares". 
À tarde, decisão judicial no TRT havia ordenado aos funcionários que operassem em 100% no horário de pico (5h às 10h e 16h às 20h) em caso de greve e 70% nos demais horários, com risco de multa de R$ 200 mil por dia, em caso de ordem descumprida.
Os trabalhadores ferroviários decidiram também nesta quinta suspender a greve, acatando a proposta do TRT. Eles mantém o estado de greve e devem se reunir em audiência no próximo dia 10 com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e, caso não ainda não haja acordo, o tribunal julga o dissídio coletivo no dia 15 de junho. Eles pedem 5% de reajuste, ante os 3,27% oferecidos pela CPTM.
Em breve mais informações

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.