Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

terça-feira, 29 de março de 2011

Estação Butantã deve superlotar também a Linha 4 Amarela.

/ On : terça-feira, março 29, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
Expectativa é que nº de passageiros do ramal passe de 19 mil para 54 mil por dia com nova estação; trens da manhã devem seguir lotados

(dO Estado de S.Paulo, por Renato Machado)

A inauguração da Estação Butantã, na manhã de ontem, vai representar o primeiro grande boom de passageiros da Linha 4-Amarela. Não será surpresa se os usuários passarem a encontrar trens lotados no início da manhã - o horário de pico do ramal atualmente. Isso porque número de passageiros vai quase triplicar: na última sexta-feira, foram registrados 19 mil usuários nesse ramal e a concessionária ViaQuatro espera que suba agora para 54 mil por dia.
O ganho de 35 mil passageiros por dia é mais que o dobro da quantidade atual da Linha 4-Amarela, que até a semana passada circulava apenas entre as Estações Paulista e Faria Lima (trecho de 3,8 km). Esse ramal agora passou a ter 5,2 km de extensão - as viagens entre os extremos Paulista e Butantã são feitas em sete minutos.
"Ainda teremos todos os passageiros sentados na maior parte do tempo. Talvez no primeiro e segundo trens da manhã já haja carros lotados porque vai aumentar a quantidade de usuários. Algumas pessoas já esperam o início das operações para ir de Metrô, em vez de seguir de ônibus ou outro meio", diz o presidente da ViaQuatro, Luís Valença.
Uma das explicações para o aumento na demanda é o início simultâneo das operações no terminal de ônibus contíguo à estação de Metrô. Espera-se também um pico pela manhã de estudantes que rumam para a Estação Butantã para chegar ao campus da Universidade de São Paulo (USP). A São Paulo Transporte (SPTrans) criou uma linha específica entre a estação e a cidade universitária.
Outro grande aumento na demanda da Linha 4-Amarela vai ocorrer até junho. O governo do Estado pretende entregar a próxima estação desse ramal, a Pinheiros, em maio e fazer a interligação com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). "Nós devemos chegar a 250 mil pessoas por dia com a inauguração da Pinheiros e o funcionamento em horário pleno", completa Luís Valença. O horário de funcionamento é atualmente das 8 às 15 horas e será mantido até junho. Após a integração com a CPTM, será estendido para a operação integral, das 4h40 às 0h15.
Para o segundo semestre, estão previstas as duas estações que fecham a 1.ª fase da Linha 4-Amarela. O secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, disse que Luz e República serão entregues até o fim do ano. "Nosso compromisso é entregar as duas antes do Natal." São grandes as chances, porém, que a data seja adiantada, assim como aconteceu com a Butantã - inicialmente prevista para maio.

Taboão.
Ainda ficam outras cinco estações para a 2.ª fase da linha, que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) prometeu para até o fim de 2014. Alckmin também disse pela primeira vez que pretende levar a Linha 4-Amarela até Taboão da Serra - informação antecipada pelo Estado em 6 de janeiro. Inicialmente, essa ligação será feita com uma linha de ônibus gerenciada pela própria concessionária ViaQuatro.
"Queremos que essa Linha 4 pela primeira vez saia de São Paulo. O Metrô se chama Companhia do Metropolitano, mas só atende a cidade de São Paulo", disse o governador.
A inauguração da Estação Butantã foi marcada por protestos de estudantes, trabalhadores da Universidade de São Paulo (USP) e do próprio Metrô. Um grupo de 20 pessoas vaiou Alckmin e o prefeito Gilberto Kassab. Os discursos também foram atrapalhados por gritos de ordem, principalmente contra o valor da tarifa do transporte público municipal.
Integrantes da Assembleia Nacional dos Estudantes entoaram gritos contra o reajuste da tarifa de ônibus, que passou de R$ 2,70 para R$ 3 em janeiro. Alckmin foi alvo de gritos de ordem, principalmente do sindicato dos metroviários, contrário aos trens sem condutores que serão usados na Linha 4.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.