Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Guarujá, em SP, enfrenta novo surto de diarreia

/ On : sexta-feira, janeiro 07, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
São Paulo - Um ano após o Guarujá, na Baixada Santista, enfrentar um surto de diarreia, turistas e moradores voltaram a lotar as unidades de saúde com o mesmo problema. Desde domingo, 850 pacientes passaram por médicos: 500 na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e 350 no Hospital Santo Amaro, em Pitangueiras.
As duas unidades costumam atender, juntas, uma média de 60 pessoas por dia. No caso da UPA, cuja responsabilidade é da prefeitura, houve até reforço no atendimento, com a montagem de uma tenda climatizada no lado de fora da unidade. Ali, adultos e crianças com diarreia, vômitos, dores no corpo e febre recebem soro e outras medicações diariamente.

Pacientes ouvidos pela reportagem contaram que as filas nos hospitais chegaram a cinco horas. Segundo a diretora de Vigilância Epidemiológica da cidade, Ana Teresinha Lopes Plaza, já foi detectado que 30% dos pacientes são turistas que estavam nas Praias de Pitangueiras e da Enseada.
Para Ana, a situação ainda não é alarmante, apesar de o número de pacientes atendidos na UPA ser o mesmo da temporada passada, quando 500 pessoas procuraram ajuda médica entre 30 de dezembro de 2009 e 3 de janeiro de 2010. "Nesta época de verão, a população aumenta até quatro vezes e esse quadro é esperado, por causa do calor e da má higiene na praia", disse a diretora. Ela contou que os casos de virose representam, por enquanto, 10% dos atendimentos na cidade.
A prefeitura não descarta a hipótese de problemas relacionados à comida consumida na praia ou com a água do mar ou das torneiras. "Com a chuva, parte do lençol freático também acaba contaminado", afirmou a diretora. "É muito leviano dizer que foi a água, mas estamos investigando."
Em 2010, o Instituto Adolfo Lutz revelou que um "norovírus", presente no alimento e na água, foi responsável pelo surto. A Cetesb não comentou a possibilidade de a água do mar ser a causadora da doença e disse ser preciso aguardar o resultado da balneabilidade das praias. Procurada, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou, por e-mail, que "garante a qualidade da água". As informações são do Jornal da Tarde.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.