Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Chuvas: as 24 horas de Alckmin e os 20 anos de tucanato

/ On : quinta-feira, janeiro 13, 2011 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com

por Sylvio Micelli

Para mim existem dois tipos de frase: as frases de efeito, marcadas pela inteligência, sarcasmo, perspicácia e, geralmente, pedagógicas, e as frases-defeito, que são ditas, normalmente sem pensar e que entram para a história pela futilidade, tolice ou falta-do-que-dizer de seus emissários, tal como um corolário que decorre de um teorema.

O recém empossado governador paulista Geraldo Alckmin protaganizou tal ato falho nesta semana, quando o estado de São Paulo e boa parte do País estão submersos diante do descaso do poder público, aqui ou alhures. O roteiro das chuvas se repete. Um ano atrás, casas rolaram morro abaixo no Rio de Janeiro, córregos inundaram São Paulo e a região de montanha, paulista ou fluminense, volta a contabilizar seus mortos. Mudaram-se os palcos – as cidades atingidas são diferentes; mudaram-se os atores – os mortos são outros; mas os produtores da tragédia são sempre os mesmos. Um ano atrás escrevi, ironicamente, que “São Pedro é o eterno culpado“.

Alckmin afirmou que “obras não ficam prontas em 24 horas”. Acredito que para solucionar os problemas, então, devemos chamar o Jack Bauer, protagonista da série de TV “24 horas”.

O “novo” governador não pode usar nenhuma das duas desculpas esfarrapadas, comuns a quem assume cargos no Executivo. Não pode alegar que desconhece o problema, pois é a terceira vez que assume o mandato e se terminá-lo em 31 de dezembro de 2014, terá sido o segundo governante há mais tempo no poder, só perdendo para o histórico (para o bem ou para o mal), Ademar de Barros.

Pior ainda… Alckmin não pode alegar que herda uma “herança maldita”, afinal o seu partido está no governo de São Paulo há 16 anos e, ao final de seu mandato, terá completado duas décadas. Ou seja: se houver alguma herança bendita ou maldita, ela terá sido gerida no próprio tucanato.

Ou seja: é bem verdade que “obras não ficam prontas em 24 horas”, mas pouco tem sido feito pelo governo do PSDB e mesmo na cidade de São Paulo, em relação às chuvas que sempre acontecem nesta época do ano e sempre matam. As desculpas são as mesmas: ‘que a quantidade de chuva foi além das expectativas’, ‘que foram aplicados X reais na construção disso ou daquilo’, mas solução que é bom, ainda estamos por aguardar.

Um outro fato que devemos levar em consideração é a parcimônia de boa parte da mídia em relação às chuvas. A mesma mídia que batia em Luiza Erundina e em Marta Suplicy – com seus defeitos e qualidades – não aparece agora com a mesma sanha inquisidora em relação aos atuais governantes. Faz uma cobertura pífia, num misto de drama pessoal e resignação por “culpa” da natureza. “Esquecem” de responsabilizar o governante da vez.
De tudo isso resta-nos torcer para:

1. que o poder público e suas diversas instâncias não sejam cúmplices de mais mortes, evitando construções irregulares e, principalmente, fazendo uma política habitacional decente para que as famílias não precisem ficar junto a morros, córregos ou rios;

2. que o poder público e suas diversas instâncias façam uma operação conjunta para a solução dos problemas. Municípios, Estados e União devem estar, efetivamente, juntos no combate às enchentes. Do contrário estaremos contando novos mortos a cada início de ano;

3. que a população – também com sua parcela de responsabilidade – não jogue lixo nas ruas, mesmo os “mínimos” detritos, e muito menos em córregos e rios.

Vale a pena sempre lembrar a lição que Einstein nos deixou: “Quando agredida, a natureza não se defende. Apenas se vinga.”

E espero que em 2012, não tenha mais que escrever sobre chuvas, exceto em poemas, posto que são belas e altamente inspiradoras.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.