Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ministério Público denuncia 22 pessoas por fraudes no Detran de São Paulo.

/ On : quinta-feira, novembro 25, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
(da Folha de SP)
Vinte e duas pessoas foram denunciadas ontem pelo Ministério Público Estadual sob acusação de fraudar o sistema de emplacamento de veículos no Estado de São Paulo . Dos 22 denunciados, 9 são delegados da Polícia Civil. Os outros 13 são ligados às empresas de emplacamento que, entre outros crimes, teriam manipulado pregões.
Os delegados são: Ronaldo Tossunian, Adriano Rodrigues Alves Caleiro, Antonio Rossi dos Santos, Geraldo Tadeu de Almeida, James Willian Mecchi, Nobuo Ozeki, José Roberto Fernandes Coleti, Giovana Valente Clemente e Ivaney Cayres de Souza, ex-chefe do Detran.
Souza afirmou que "todos os atos praticados no Detran foram dentro dos ditames da lei" e aprovados pelo Tribunal de Contas. Os outros delegados não foram localizados.
Segundo a Corregedoria da Polícia Civil, irregularidades nos contratos do Detran (Departamento de Trânsito) para emplacamento e lacração de veículos no Estado podem ter causado um rombo de R$ 30 milhões aos cofres públicos nos últimos anos.
A fraude teria acontecido em 2006, quando cinco empresas burlaram a licitação pública para fazer com que a empresa Centersystem ganhasse o serviço de emplacamento na capital e a Cordeiro Lopes, em todas as outras cidades do Estado.
A investigação apontou que, somente em julho, agosto e setembro de 2009, a Cordeiro Lopes cobrou R$ 16.338.744,39 por serviços prestados, mas, na verdade, o Estado deveria ter pago R$ 6.565.912,46 --diferença de R$ 9.772.831,93.
Em fevereiro deste ano, o governo de São Paulo rescindiu nove contratos com a Cordeiro Lopes. Cássio Paoletti Júnior, advogado da empresa, nega ter havido superfaturamento. Nenhum representante da Centersystem foi encontrado ontem.
A Justiça ainda vai decidir se aceita a denúncia.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.