Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Exemplo do impacto de uma Greve Geral: Portugal para após anunciar cortes no funcionalismo público

/ On : quarta-feira, novembro 24, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com

Greve geral afeta transportes em Portugal

Sindicalistas na indústria da Volkswagen em Palmela, arredores de Lisboa
Fábrica da Volkswagen em Palmela, a maior do país, não funcionou
A greve geral em Portugal que, pela primeira vez desde 1988, reúne as duas centrais sindicais portuguesas, afetou especialmente os serviços de transporte do país nesta quarta-feira.
Os metrôs de Lisboa e do Porto, os barcos que atravessam o rio Tejo e os portos foram completamente paralisados.
Nos aeroportos, devido à greve dos controladores aéreos, só partiram os voos para os arquipélagos dos Açores e da Madeira – que dependem dos voos para se conectar a Portugal e estão incluídos nos serviços obrigatórios em caso de greve.
Os trens suburbanos não estão cumprindo nem os serviços mínimos.
Mais de 90% das escolas estão fechadas, os hospitais só atendem emergências, a recolha do lixo parou, a grande maioria dos serviços da receita está fechada e até os tribunais estão parcialmente paralisados.
Mesmo os agentes da polícia – proibidos por lei de entrar em greve – deixaram de aplicar multas.
Impacto
A greve geral foi convocada em protesto às medidas do governo para reduzir o deficit público: corte de até 10% do salário dos funcionários públicos, congelamento das aposentadorias, diminuição do prazo do seguro desemprego, fim dos apoios sociais a quem recebe pouco e do auxílio maternidade, entre outras.
O objetivo do governo é diminuir o deficit público, de 9,3% em 2010, até menos de 3% em 2013.
A greve geral transformou-se numa guerra de números entre o governo e os sindicalistas.
De um lado, o governo tenta minimizar o impacto da paralisação; do outro, os sindicatos procuram ampliar o peso do protesto.
Após um dia de greve, os dois lados se preparam para as negociações que deverão ocorrer nos próximos meses. O governo afirma que apenas 20% dos funcionários públicos deixaram de trabalhar. Para a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), foram 70%.
“Não houve uma redução no consumo de energia, o que leva a concluir que não houve redução da atividade econômica”, afirmou a ministra do Trabalho, Helena André. O líder da CGTP ironizou: "Então o metrô de Lisboa e o do Porto, os comboios (trens) e os aeroportos não consomem energia."
Já o secretário geral da confederação União Geral dos Trabalhadores, João Proença, afirmou que a greve é a maior da história do país.
Os sindicatos apresentaram uma lista das empresas que paralisaram, incluindo a mais emblemática do país, a Volkswagen de Palmela, maior exportadora portuguesa, responsável por 15% das vendas do país no exterior.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.