Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

sexta-feira, 14 de maio de 2010

PT cobrou a morosidade do governo tucano em atender os servidores do Judiciário

/ On : sexta-feira, maio 14, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com

Foi aprovado, nesta quarta-feira (12/5), o projeto de autoria do Judiciário que institui o Plano de Cargos e Carreiras dos servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o PLC43/2005. 

Acompanhada por representantes da categoria que tomaram as galerias do Plenário, a votação do plenário aconteceu no início da noite e foi aprovado pela unanimidade dos deputados, mas com ressalvas e críticas da Bancada do PT que cobrou e lamentou a morosidade do governo do PSDB em atender a demanda do setor.

O texto estabelece três níveis na escala de vencimentos, abrange servidores efetivos e cargos em comissão, correspondendo esses vencimentos às cargas horárias semanais de trabalho de 30 e de 40 horas. O plano de carreira fixado pelo PLC 43 prevê ainda um plano de carreira aos funcionários do Judiciário paulista.

Os deputados petistas lembraram que o projeto está no Legislativo paulista desde 2005, passou pela gestão do então governadores Alckmin e Serra e somente agora com a greve dos trabalhadores do Judiciário é que o governo resolveu colocar o projeto em pauta e sua base para a deliberação. 

Os protestos, neste sentido, foram registrados pela deputada Maria Lúcia Prandi, que cobrou a letargia do governo e descaso com o funcionalismo em atender o pleito que conviveram numa realidade sem perspectiva profissional.
Enio Tatto ressaltou que a vitória da aprovação do PLC deveria ser atribuída à perseverança e garra dos trabalhadores e contestou o argumento do líder do governo de que não havia recursos orçamentários para atender a reivindicação.
 “O governo todos os anos aprova o Orçamento abaixo do requerido para deixar os servidores de joelho e com o pires na mão. Isso é proposital, pois nós verificamos que há anos ocorre excesso de arrecadação”, afirmou Tatto. A seguir o deputado citou levantamento dos últimos quatro anos. “Em 2006, o governo teve R$ 2,8 bilhões de excesso de arrecadação seja 3,5% a mais do previsto. 2007 foram R$ 8,2 bilhões, 12,9%. No ano de 2008 foram 13,9 bilhões, o que dá 13% a mais, e em 2009, apesar da crise houve um excedente de R$ 1 bilhão. Todo esse recurso demonstra que daria para atender a reivindicação dos servidores”.
Na mesma linha falou Vanderlei Siraque, que demonstrou a inversão de prioridade do governo Serra. Enquanto alegava que não tinha recursos para o funcionalismo, o governador elevou de R$ 60 milhões os gastos com publicidade, em 2005, para R$ 292 milhões em 2009. “Como explicar tanto gasto com publicidade e alegar que não tem R$ 180 milhões ao ano, valor que vai impactar nas finanças do Estado com a aprovação desse PLC”, indagou Siraque.    

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.