Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Hospitais públicos de São Paulo escolhem quem será atendido nas urgências

/ On : quarta-feira, maio 05, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com
do Brasília Confidencial
04/05/2010

Pacientes tem de esperar para ver se serão atendidos

O presidente do Sindicato dos Médicos de São Paulo, Cid Carvalhaes, denunciou na tarde desta terça-feira, 04/05, que a população é submetida a um processo de escolha nos casos de atendimento de urgência e de alta complexidade na rede de hospitais estaduais e municipais, em decorrência do modelo de gestão adotado pelos governos do PSDB no estado e do DEM na capital paulista. Segundo ele, os dois partidos criaram o chamado “hospital fechado”, onde pacientes que apresentam enfermidades com alguma gravidade, que necessitem de cirurgias ou de internação em UTI, sofrem seleção prévia. “Só é atendido quem se submeter a uma triagem antecipada. A saúde em São Paulo, seja na prefeitura ou no estado, perdeu sua universalidade. Hoje não basta entrar no hospital para ser atendido. Quando se constata que o problema é mais grave, o paciente fica na dependência de ser ou não escolhido”.
Carvalhaes diz que o modelo de privatização iniciada de maneira “tímida” na gestão do ex-governador Mário Covas e adotada em larga escala no governo do presidenciável José Serra determinou um descontrole generalizado na gestão da saúde. “A situação chegou a um nível tão grave de descompromisso, que os Ministérios Públicos estadual e federal tiveram que exigir que o governo de José Serra cumprisse dispositivos constitucionais e legais a fim de que todos os recursos do Sistema Único de Saúde – SUS fossem gerenciados unicamente pela Secretaria da Saúde.” Em sua opinião, o modelo tucano de gerenciar a saúde, seja nos estados ou municípios que governa, trouxe grandes prejuízos para a população, que não consegue atendimento nos hospitais públicos, que operam em sistema de “portas fechadas”.
“Me arriscaria a dizer que, em caso de vitória de José Serra na disputa da presidência, ele vai adotar com certeza o sistema que implementou em São Paulo, que é a privatização da saúde através das Organizações Sociais de Saúde (OSS ) ou Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OCIPs), que transferem atribuições e recursos públicos para entidades privadas, que se dizem sem fins lucrativos, mas que, no fundo, lucram muito com os recursos públicos da saúde”, denuncia.

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.