Editorial TSP Educação Eleições Contas Públicas Imprensa Política Precatórios Privatizações Saneamento Saúde Segurança Pública Servidores Transporte
Agora São Paulo Assembléia Permanente Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Vi o Mundo
Canal no You Tube
Agora São Paulo Assembléia Permanente BBC Brasil Brasília Confidencial Carta Capital Cloaca News Conversa Afiada Cutucando de Leve FBI - Festival de Besteiras na Imprensa Jornal Flit Paralisante NaMaria News Rede Brasil Atual Reuters Brasil Vi o Mundo

terça-feira, 25 de maio de 2010

Diante de industriais, Serra parte para o ataque e acusa governo Lula de gastar demais.

/ On : terça-feira, maio 25, 2010 - Contribua com o Transparência São Paulo; envie seu artigo ou sugestão para o email: transparenciasaopaulo@gmail.com

Com pesquisas eleitorais desfavoráveis, tucano acusa governo Lula de gastar demais. "Obesidade dá até gosto", criticou

Publicado em 25/05/2010, 17:30
Última atualização às 19:59
Diante de industriais, Serra parte para o ataque
"Na área federal, a obesidade dá até gosto", reclama Serra (Foto: José Paulo Lacerda/CNI Divulgação)
São Paulo – Para uma plateia de empresários da indústria, José Serra (PSDB), pré-candidato à Presidência da República, partiu para o ataque contra o governo Lula. Mostrando-se muito à vontade com as perguntas favoráveis dos participantes da sabatina organizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em Brasília, o tucano classificou como "obesa" a máquina pública.
A sabatina foi o primeiro evento de Serra na semana, após a divulgação de pesquisa do instituto Datafolha em que ele e Dilma Roussef, pré-candidata petista, aparecem empatados pela primeira vez. Outros institutos já haviam apontado o tucano atrás nas intenções de voto.
Tanto assim que Serra criticou o formato de sabatina sem encontro – e embate direto – entre os candidatos. Ele reconheceu, porém, que a coordenação de pré-campanha tenha aceitado o formato proposto pela CNI.
O principal alvo das críticas foi o modelo de gestão de investimentos públicos federais em infraestrutura do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. "Não tem planejamento, falta gestão. Se tudo é prioridade, não tem prioridade", criticou Serra. "Acredito em planejamento público. Investimento estruturante é planejamento. Não é planejamento de uma economia centralizada, que não funciona", insistiu.
A respeito da declaração de Dilma de que não se pode acabar com indicações políticas em agências reguladoras, mas que é necessário respeitar critérios técnicos, Serra partiu para o ataque: "Tudo está loteado (entre partidos políticos)".

Para a torcida

"Na área federal, a obesidade dá até gosto. Puxa vida, como dá para aumentar a eficiência", destacou, arrancando aplausos da plateia. Serra prometeu acabar com a cobrança de PIS/Cofins na construção da infraestrutura de saneamento.
"Entra governo, sai governo e continuamos campeões mundiais em maior carga tributária e nos juros altos, numa lista de 135 países", disse o pré-candidato. Serra demonstrou preocupação com o processo de desindustrialização porque o país estaria passando, o que estaria dando lugar a uma economia de serviços. "Só com desenvolvimento industrial poderoso o Brasil vai ser um país desenvolvido.”
Além de criticar a carga tributária, Serra ainda jogou para a torcida ao criticar a ação do Banco Central na definição da política de juros. "Não posso ter um ministro da Fazenda em disputa com o presidente do Banco Central e vice-versa. Não há governo que funcione bem assim", afirmou.
Pesquisa publicada na segunda-feira (24) pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) aponta que impostos e crédito são as duas principais queixas do setor. Os dois itens foram alvo das críticas de Serra.
O tucano atribuiu à autoridade monetária a redução da participação da indústria no Produto Interno Bruto (PIB). Porém, descartou mudanças bruscas, prometendo manter equilíbrio macroeconômico com desenvolvimento sustentável. "Eu ajudei a erguer a mesa da economia do Brasil, não vou derrubar essa mesa. O importante é que a gente olhe para frente", sublinhou.
Ainda foi alvo de crítica a importação de produtos chineses, com direito a referências a um episódio de compra de preservativos do país asiático quando Serra era ministro da Saúde. Segundo ele, ao abrir o pacote, percebeu um "cheiro de pena de galinha". Ele ainda fez piadas sobre a possibilidade de o odor ser apreciado pelos orientais.

Irã

Sobre a ação brasileira de intermediar negociações entre o Irã e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Serra afirmou concordar com a postura do Brasil, mas defendeu a defesa dos direitos humanos. Ele ainda demonstrou ceticismo em relação ao presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. "Não é uma pessoa, não é um regime para a gente confiar", criticou.
Com informações da Reuters

Twitter

Privatizações

Privatizações
Memórias do Saqueio: como o patrimônio construído com o trabalho e os impostos do povo paulista foi vendido
 
Copyright Transparência São Paulo - segurança, educação, saúde, trânsito e transporte, servidores © 2010 - All right reserved - Using Blueceria Blogspot Theme
Best viewed with Mozilla, IE, Google Chrome and Opera.